Casa Tropical – Mundaú – CE

Vasco Correia | Patrícia Sousa
Camarim Arquitectos

introdução

Mundaú é uma aldeia de pescadores numa praia imensa do Ceará, no Nordeste do Brasil. 3º 10’ 42.51” a sul do Equador, os anos dividem-se em estação úmida e estação seca, com temperaturas entre 22ºC E 33ºC. A chuva intensa de janeiro a junho garante um solo fértil, onde a vegetação floresce e frutifica até dezembro.

Os clientes queriam uma casa de férias com 3 quartos, que oferecesse amplas possibilidades de contacto com a natureza. Substituímos a solução convencional em arquitetura doméstica – um volume compacto com circulação interior – por uma galeria perimetral que envolve os 3 pisos da casa, e que corresponde a 50% da área total. Criámos formas abertas para que a terra, o sol e a sombra, os coqueiros e outras árvores, as dunas e o mar, completassem o desenho da casa, sugerindo uma experiência condensada e sensual da natureza próxima e distante.

3 pisos: 3 paisagens

Os 3 pisos da casa são totalmente distintos no uso e na abordagem à natureza.

1: O pódio, ao nível da rua, fica sobranceiro ao terreno. Dois volumes que abrigam funções auxiliares deixam um vazio de permanência, com amplas vistas sobre o jardim, sob a sombra da casa em cima. A frescura é sublinhada pelo cimento polido do pavimento e do tecto. 2: Os quartos são acedidos pela galeria, envolvida numa pele de ripas de madeira que negoceia privacidade, vistas, ventilação e sombra, que é tratada como um ornamento vivo. As paredes têm a rugosidade da alvenaria artesanal, pintadas a branco-gelo. 3: A sala é uma casa nas árvores, uma casa de madeira sobre a casa de betão. A abertura do telhado cria vãos envidraçados de 3,20 m de altura, diluindo os coqueiros, as dunas e o mar no interior de planta livre.

construção

No lugar desta casa existia outra, de construção débil, mas com uma estrutura racional. A nova casa partiu deste esqueleto, que foi reforçado para suportar a casa de madeira em cima.

Garantimos a consistência do discurso arquitectónico desenhando tudo, desde portas a candeeiros. A dificuldade de acesso a Mundaú levou-nos além da arquitectura: desenhámos estrutura, infra-estruturas, e assumimos a empreitada geral da obra, com 490 m² de área coberta, que concluímos em 7 meses. Afora trabalhos especializados como a montagem dos vidros ou a instalação das cozinhas, a construção foi realizada por pedreiros e carpinteiros locais, com experiência de várias gerações nos materiais e técnicas autóctones, e com auxílio de poucas ferramentas mecânicas: é uma construção feita com as mãos. A sobreposição de estruturas independentes, o telhado invertido em suspensão, a dimensão dos panos de vidro, são características inéditas na tipologia doméstica da região.

jardim tropical

Operações paisagísticas elementares transformaram um terreno agrícola num jardim tropical. Seleccionámos árvores e limpamos o terreno, deixando a areia branca à superfície. Os canais de rega paralelos, que compartimentavam o terreno, foram redesenhados como grandes diagonais cruzando o jardim. Modelámos o terreno e assentámos lajetas de granito em tentáculos desde a casa a pontos notáveis do jardim: uma latada de maracujá para refeições ao ar livre, um acesso à rua sob um cajueiro velho que estende uma sombra generosa nas tardes quentes, um recanto verdejante escondido da casa. Para o muro, produzimos painéis perfurados de betão pré-moldado que criam texturas de luz e sombra a partir da folhagem próxima, e deixam entrever o jardim de uma forma diáfana e circunscrita. O vento atravessa o muro e agita a água dos canais e as folhas das árvores, criando um microclima confortável durante a estação seca.

estratégia energética

A galeria é um dispositivo de arrefecimento passivo: protege os interiores do sol tropical deixando-os permeáveis ao vento da serra. A pele de madeira que envolve os quartos filtra o sol rasante, protege a intimidade e enquadra vistas particulares.

Geramos electricidade a partir do sol e do vento, intensos na região. A água potável, escassa, é captada pelo telhado ou pelo furo artesiano, é filtrada, armazenada e pressurizada mecanicamente até a torneira. As redes eléctrica, hidráulica, de gás e de telecomunicações circulam em dois núcleos verticais que partem de uma galeria técnica e são acessíveis desde os espaços servidos – 5 casas de banho e 2 cozinhas – para manutenção. Na ausência de rede de esgotos municipal, concebemos uma fossa séptica com filtro anaeróbio super-eficiente, com capacidade de depuração de 90% do efluente. A estratégia energética e racionalidade infra-estrutural da casa não têm precedentes na região.

[texto fornecido pelos autores do projeto]


galeria


Local: Mundaú – Prefeitura de  Trairí, Ceará, Brasil
Obra: 2008
Área do terreno: 2400 m²
Área bruta de construção: 400m²
Arquitetura: Camarim Arquitectos
Diretores de projeto: Vasco Correia e Patrícia Sousa
Colaboração: Jonas Grinevicius, Christoph Schwander, Eliana Gonçalves
Direitos de Autor do Projeto: Camarim Arquitectos
Fotos: Nic Olshiati
Website/contato: http://www.camarim.pt

Colaboração editorial: Débora Andrade

Anúncios
Esse post foi publicado em 2008, CE, Mundaú, Patrícia Souza, Projetos e obras, Vasco Correia e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Casa Tropical – Mundaú – CE

  1. Dhyulia disse:

    Boa Tarde!
    Estou fazendo um trabalho da faculdade sobre a CASA TROPICAL DE MUNDAÚ, e gostaria de saber se você pode me dar mais informações sobre o cliente que solicitou este projeto, tendo em vista que precisso incluir no meu trabalho algo sobre os ocupantes da residência.

    Obrigado pela atenção!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s