Praça da Soberania: crônica de uma polêmica

Sobre o projeto da Praça da Soberania, de Oscar Niemeyer.

Danilo Matoso Macedo

[1]

soberania-perspectivaEm 9 de janeiro de 2009, em seu escritório de Copacabana, Oscar Niemeyer apresentou o estudo preliminar do projeto para a Praça da Soberania, em Brasília, ao governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, e a seu Secretário de Cultura, Silvestre Gorgulho. À semelhança de outros projetos recentes de Niemeyer, o projeto era marcado pela simplicidade de formas, materializadas em grandes superfícies brancas e aberturas fechadas por vidro preto. Próximo à Plataforma Rodoviária, uma praça cimentada no canteiro central da Esplanada dos Ministérios correspondia ao estacionamento subterrâneo abaixo, destinado a abrigar três mil veículos. Sobre o concreto, um edifício curvo elevado em pilotis – o Memorial dos Presidentes, encomenda do presidente Lula – contraposto por um obelisco inclinado – o Monumento ao Cinqüentenário – de altura comparável aos noventa e dois metros das torres do Congresso Nacional mais adiante.

Antes mesmo de qualquer consulta aos arquitetos que trabalham no GDF, ou de qualquer estimativa de preço da obra, o governador declarou aos presentes: Vamos fazer! No dia seguinte, a reunião foi relatada na capa do Correio Braziliense, [2] com a manchete: Para se espantar e curtir. Imediatamente, os arquitetos brasilienses se espantaram e voltaram a curtir a dor de feridas antigas e novas, todas ainda abertas. O espanto ficou por conta do obelisco de mais de cem metros de altura e do edifício curvo, numa área originalmente destinada ao vazio – disposição presente desde o Plano Piloto, e expressamente assim mantida quando do tombamento da cidade pela Unesco em 1987. Já as penas curtidas tinham um duplo viés.

soberania-perspectiva-2De um lado, a iconoclastia tradicional de arquitetos inconformados com as feições recentes das obras de Niemeyer. Para estes colegas – e também para alguns apreciadores das obras complexas, multicoloridas e multiformes das obras anteriores a Brasília, como a Pampulha – a simplicidade recente parece simplismo apenas. E o que os admiradores da nova produção de Niemeyer ainda consideram síntese, os críticos já consideram descuido.

De outro lado, o descontentamento geral da comunidade de arquitetos projetistas brasilienses devido à realização de mais uma grande obra pública, com contratação de projetos por escritórios privados, sem a realização de concurso de arquitetura. A lista recente não é pequena, e o privilégio da contratação sem concurso não é exclusivo de Oscar Niemeyer: desde a encomenda do projeto urbanístico para o bairro Setor Noroeste,[3] bem como para o Parque Burle-Marx[4] e a via interbairros, passando pela nova Estação Rodoviária,[5] pela sede do Governo do Distrito Federal na Cidade Satélite de Taguatinga,[6] pela reforma do Estádio Bezerrão, no Gama,[7] e culminando no projeto para o Estádio Mané Garrincha,[8] em Brasília, com vistas à Copa do Mundo de Futebol. O monopólio de Niemeyer, de fato, se restringe à Esplanada dos Ministérios e adjacências. É sabido que, eticamente, o arquiteto evitou a contratação particular para a elaboração dos projetos arquitetônicos iniciais quando da construção da capital. Num gesto nobre, Oscar preferiu ser contratado como funcionário da Novacap, recebendo apenas seu salário à época.[9]

soberania-plantaO mesmo não ocorreu quando do retorno do arquiteto do exílio na década de 1970. Sobretudo após o tombamento da cidade, o escritório de Niemeyer passou a ser diretamente contratado para toda e qualquer grande obra pública do Governo Federal, pelo sistema de notória especialização. É um tipo de prática que ocorre em maior ou menor escala em diversas cidades brasileiras, com notórios especialistas locais, nacionais e, mais recentemente, internacionais. No caso do escritório de Niemeyer, o privilégio foi reforçado e garantido por uma portaria do IPHAN, estabelecendo que excepcionalmente, e como disposição naturalmente temporária, serão permitidas, quando aprovadas pelas instâncias legalmente competentes, as propostas para novas edificações encaminhadas pelos autores de Brasília – arquitetos Lucio Costa e Oscar Niemeyer – com complementações necessárias ao Plano Piloto original.[10]

Para se espantar e curtirO projeto da Praça da Soberania, entretanto, parece ter dado impulso a algum tipo de questionamento destes processos. O Governo do Distrito Federal contratou Oscar Niemeyer para realizar o projeto sem licitação e sem concurso público. O governador aprovou a proposta publicamente, levando a imprensa a uma reunião de trabalho com o arquiteto, em lugar de cercar-se de seus técnicos, e antes mesmo de submeter o projeto ao IPHAN. E a proposta era no coração da cidade, num local importante para a população e sabidamente non-aedificandi. E causou a todos espanto, como queria seu autor.

A partir da matéria no Correio Braziliense, manifestações de repúdio começaram a circular por telefonemas e e-mails exaltados entre arquitetos ainda durante o final-de-semana. Na segunda-feira, dia 12 de janeiro, foi publicado na revista mdc um texto de Sylvia Ficher – Oscar Niemeyer e Brasília : criador versus criatura.[11] Tratava-se de um pequeno desabafo passional da historiadora e professora da UnB, que tocava em diversos pontos nevrálgicos do debate em torno às obras recentes de Niemeyer desde o Panteão da Pátria (1985), passando por um sumário juízo negativo de valor sobre a praça para concentrar seu fogo no ataque ao monopólio de Oscar Niemeyer em Brasília. O texto circulou em diversas rodas por e-mail na internet, tendo sido novamente publicado na Revista da Semana da Editora Abril, no Portal Vitruvius[12] – o mais popular site de arquitetura do país –, no portal da Universidade de Brasília e em diversos blogs. Em que pese o extenso passado de rigorosas pesquisas de Sylvia Ficher, tratava-se aqui de um artigo de opinião, e não um arrazoado científico. O tom pessoal do artigo causou indignação aos admiradores e colaboradores mais próximos de Oscar Niemeyer. Por outro lado, fosse o texto uma extensa e embasada argumentação técnica, não teria tido o alcance e a popularidade que teve.

No domingo seguinte, dia 18 de janeiro, o jornalista Elio Gaspari dedicou sua coluna na Folha de S.Paulo[13] a uma associação entre a condenação de Sylvia Ficher à Praça da Soberania e a sua própria condenação a um texto que Niemeyer publicara naquele mesmo jornal reabilitando historicamente a figura de Joseph Stálin.[14] Com a repercussão do ataque de Sylvia à obra de Niemeyer, o desabafo local da pesquisadora começou a ganhar contornos de polêmica nacional.

No dia 20 de janeiro, o pesquisador e professor da UnB Frederico Holanda enviou à revista mdc um curto artigo também pessoal – A praça do espanto,[15] condenando diretamente o projeto para a Praça da Soberania e associando sua aridez à já existente no adjacente Complexo Cultural da República – última grande obra de Niemeyer inaugurada na Capital. A publicação do texto de Holanda na revista mdc foi acompanhada por outro texto do jovem arquiteto e pesquisador Carlos Henrique Magalhães[16] intitulado Pela soberania do vazio.[17] Argumentação mais arrazoada que as anteriores, o texto de Carlos evocava a obra pregressa de Oscar Niemeyer e os princípios norteadores do Plano Piloto de Brasília como base para defender a preservação do vazio acima do gramado da Esplanada – onde Niemeyer pretendia implantar o obelisco e o Memorial dos Presidentes. Ao mesmo tempo, Conceição Freitas publicava em sua coluna no Correio Braziliense o texto Niemeyer versus Niemeyer.[18] A jornalista reforçava os argumentos de Sylvia e recuperava – a partir de um comentário na revista mdc[19] – um texto de Nicolai Ouroussoff,[20] escrito em 2007, em que do crítico de arquitetura do New York Times questionava a pertinência da contratação de Niemeyer para reforma e ampliação de suas próprias obras construídas há mais de cinquenta anos.

No dia seguinte, Sylvia Ficher voltava a se manifestar no texto Verso e reverso em Niemeyer,[21] agora acompanhada do arquiteto Jorge Guilherme Francisconi, ambos membros do Conselho de Planejamento Territorial do DF – Conplan. O artigo, publicado no Correio Braziliense, manifestava que aquele órgão colegiado vinha sendo obrigado a aprovar a execução de projetos de Niemeyer em áreas de impacto, por força dos precedentes estabelecidos e do já mencionado artigo personalista da Portaria 314 do IPHAN. E o Conplan, unanimemente constrangido, enviara ao IPHAN um questionamento sobre a legitimidade do dispositivo legal. Era uma denúncia explícita de uma espécie de venda do direito de construir, que seria operada pelo escritório do arquiteto em Brasília.

A nova praça para BrasíliaSurpreendentemente, foi o próprio Oscar Niemeyer que se encarregou de elaborar sua primeira defesa, com artigo de sua lavra publicado na quinta-feira, dia 22 de janeiro, no Correio Braziliense. No texto, intitulado simplesmente A nova praça para Brasília,[22] Oscar Niemeyer justificava sua proposta com base nas grandes reformas urbanas de Paris e Barcelona ocorridas no século XIX, argumentando que mesmo os centros históricos precisam ser alterados. E se Brasília precisava ser modificada, ele possuía o direito e a obrigação de conceber e propor a praça. O texto ainda revelava oposição ao projeto de ninguém menos que a filha de Lucio Costa – a também urbanista Maria Elisa Costa –, por ocupar o vazio da Esplanada dos Ministérios. Por fim, o arquiteto desqualificava seus críticos, ao tratá-los por pessoas até então desconhecidas que se permitiam falar sobre o assunto.

O tom confrontativo – ainda que contraditório – do texto de Niemeyer visava a anular os argumentos seus novos críticos arquitetos, mas acabou por reavivar antigos questionamentos da corporação às suas obras, despertando ainda o antagonismo em especialistas e pesquisadores de outras áreas. A pecha de desconhecidos gerou reações raivosas de moradores da cidade, que passaram a reivindicar em blogs e cartas aos jornais – muitas vezes de modo deselegante – o direito dos desconhecidos a opinar sobre o local em que habitam. Com efeito, no dia seguinte, o presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil – IAB-DF – enviava uma Mensagem ao arquiteto Oscar Niemeyer[23] cujo tom reverente e introdução elogiosa não impediram a conclusão solicitando o estudo de nova localização para o monumento.

Em 24 de janeiro, o Correio Braziliense estampou, na mesma página, a carta do IAB e a segunda defesa do projeto da praça,[24] desta vez feita pelo arquiteto Glauco Campello – antigo colaborador de Niemeyer, pioneiro da construção de Brasília e ex-presidente do IPHAN. Prudente, Glauco se limitava a uma apologia dos valores plásticos e simbólicos da Praça da Soberania e suas edificações em si, sem mencionar a relação com o entorno urbano ou o processo de contratação do arquiteto. Até então, o Correio Braziliense vinha dando voz ao debate de maneira esparsa. No dia seguinte o jornal iniciaria uma verdadeira campanha em torno do tema, envolvendo definitivamente no debate a população da Capital Federal.

Praça na Esplanada inflama BrasíliaCom a manchete Praça na esplanada inflama Brasília,[25] a polêmica em torno ao projeto foi capa do Correio em sua edição de domingo. Três páginas de matérias, conduzidas por Conceição Freitas, deixavam de lado definitivamente as questões envolvidas em torno à contratação de Oscar Niemeyer e colocavam foco na relação entre a praça e a cidade Patrimônio da Humanidade. As reportagens faziam um apanhado da polêmica,[26] um histórico das obras de Niemeyer em Brasília (sessenta e seis ao todo)[27] e colhiam declarações de outros dois professores da UnB: Cláudio Queiroz e Frederico Flósculo.[28] Enquanto um – ex-colaborador de Oscar Niemeyer na Argélia – assumia a defesa do projeto em todos os sentidos, o outro limitava-se a expressar certa perplexidade em relação ao gesto que ele classifica de contraditório em relação à propostas originais da cidade.

Também era publicada na íntegra a carta de Maria Elisa Costa mencionada por Niemeyer, manifestando, antes de ser apresentado o projeto,[29] sua opinião contrária à localização da praça na Esplanada. Tratava-se de um documento pessoal, em que ela expunha suas preocupações quanto às edificações: o obelisco poderia competir com as torres do Congresso Nacional, e o Memorial dos Presidentes poderia obstruir a visão da rodoviária. A urbanista sugeria ainda ao amigo a alteração da proposta, com o atendimento ao programa do Memorial subsolo e a localização do obelisco no trecho oeste do Eixo Monumental, fora da Esplanada dos Ministérios.

A guinada do debate para o campo exclusivo do patrimônio histórico e artístico parecia, em princípio, favorecer Oscar Niemeyer. Afinal, o tema da contratação por notória especialização e o monopólio de projetos monumentais caia para segundo plano, e era a própria portaria do IPHAN de regulamentação do tombamento que garantia a exclusividade do arquiteto. Sintomaticamente, dentro no campo do patrimônio, a discussão ganhava contornos personalistas. Tratava-se agora de um projeto de Niemeyer oposto ao projeto de Lucio Costa – como a filha deste encaminha apreensiva. E neste ponto fica exposto o tombamento de Brasília como a preservação de uma idéia[30] exclusiva dos dois arquitetos, e não de um construto social concreto – obra coletiva. Aqui, entretanto, a relação entre a produção de Oscar Niemeyer em Brasília e os órgãos de preservação do patrimônio ganharia contornos diferentes. De fato, na reportagem de Conceição Freitas, o superintendente do IPHAN em Brasília, Alfredo Gastal, e a representante da Unesco, Jurema Machado, manifestavam-se contrários ao projeto de Niemeyer argumentando conflito deste com os valores tombados.

A declaração dos representantes dos órgãos máximos de preservação do patrimônio no Brasil e no mundo alavanca, no dia seguinte, o início de uma investigação do Ministério Público sobre a legalidade do projeto da praça – sob o ponto de vista do tombamento, e não da contratação do projeto sem licitação ou concurso.[31] O caráter aparentemente oficial da oposição desses órgãos ao projeto leva à repercussão do caso na imprensa nacional como um problema administrativo. Quando, em 27 de janeiro, a Folha de São Paulo publica sua primeira matéria jornalística sobre o tema, o faz opondo exclusivamente Oscar Niemeyer a Alfredo Gastal.[32] Mais uma vez uma discussão que se iniciara como um levante público a um ato do governo local ganha contornos personalistas. A posição de Gastal, em todo caso, apoia-se na mesma portaria 314 do IPHAN, que estabelece: nos terrenos do canteiro central verde são vedadas quaisquer edificações acima do nível do solo existente, garantindo a plena visibilidade ao conjunto monumental.[33]

O enfoque incompleto da Folha foi reproduzido em diversos jornais no país inteiro, incluindo O Globo – fenômeno passível de aferição pela grafia errada (Gaspal) que a matéria do jornal paulista trazia, e que foi reproduzida nas reportagens em outros veículos. Cabe lembrar, em todo caso, que não se tratava de uma disputa administrativa, mas política. Todas as autoridades em questão haviam se manifestado exclusivamente à imprensa, e não oficialmente. Não havia sido iniciado qualquer projeto de aprovação e nenhuma equipe de técnicos havia sido convocada para emitir parecer arrazoado. E como não existia processo de aprovação do projeto ou ato administrativo motivador, não poderia haver ilegalidade. A discussão entre as autoridades e arquitetos era pautada pelos jornalistas, e não pelos fatos.

Gastal e LeléSe para o restante do Brasil a imprensa pintava o retrato de um querela burocrática, em Brasília, a campanha do Correio ganhava cada vez mais apelo político e popular. O jornal passou a cobrir diariamente o debate, abrindo uma enquete online sobre o projeto, que se manteve sempre com cerca de 75% de reprovação pelos internautas – chegando a mais de quatro mil votos. Pode-se dizer, inclusive, que foi a fome de matérias do Correio – em pleno marasmo de janeiro – que deu novo impulso à discussão. O jornal passou a contatar sistematicamente Oscar Niemeyer, bem como todos os especialistas e autoridades relacionadas ao patrimônio histórico em Brasília, cobrando manifestações e respostas de todos. Pressionado, o arquiteto recorreria ao auxílio de seus ex-colaboradores e amigos, como foi o caso de Cláudio Queiroz e Glauco Campello, e como seria o caso, em seguida, de João Filgueiras Lima – o Lelé – e de Ítalo Campofiorito.

Lelé publicaria sua defesa na terça-feira seguinte. Seu texto se chamava Mais uma obra prima,[34] e também refletia cautela por parte do autor ao evitar uma análise da praça e sua relação com a cidade. Lelé se limitava a resumir o currículo profissional de Oscar Niemeyer e as características reconhecidas de sua arquitetura. Ao cerne da questão o arquiteto dedica poucas palavras: “Vemos no projeto dessa praça uma composição ousada e singela de beleza indiscutível, em que predomina seu monumento central triangular ancorado no solo e com sua aresta superior levemente curva, que lhe confere uma surpreendente elegância e leveza.

A reação de Lelé dava voz a um grupo numeroso de arquitetos próximos a Niemeyer a quem o caráter passional e pouco argumentativo de textos como o de Sylvia Ficher e Frederico Holanda havia soado simplesmente como falta de respeito ao mestre, que tanto já fizera pela arquitetura brasileira. Agravavam esta impressão negativa os inúmeros comentários de leitores – a maioria desqualificações sumárias – feitos abaixo dos textos em sites de notícias. Não fosse o histórico cinquentenario[35] de Oscar Niemeyer de desqualificação sistemática de qualquer crítico de sua obra, poder-se ia imaginar que também era esta a impressão causada a ele mesmo, e que motivara o adjetivo de desconhecidos aos opositores do projeto.

Os defensores de Oscar aparentemente não haviam tomado conhecimento de artigos como os de Carlos Henrique Magalhães e de Andrey Schlee. Este último, arquiteto, historiador e diretor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília – FAU-UnB, publicaria seu primeiro texto sobre o tema – De obeliscos e espetosna revista mdc no dia 28 de janeiro.[36] Talvez pressentindo que poderia ser enquadrado como desconhecido, o experiente pesquisador e admirador confesso de Oscar Niemeyer precedia sua argumentação propriamente dita por um breve histórico e uma genealogia dos obeliscos na arquitetura universal e na obra do arquiteto. O arrazoado, como o de Magalhães, relembrava os princípios fundamentais do urbanismo da cidade, que nortearam sua construção e motivaram seu tombamento. Para Schlee, definitivamente não poderia ser adotado o argumento de complementação para áreas expressamente non-aedificandi do Plano Piloto tombado.

Coincidentemente, o também diretor da UnB – do Instituto de Ciências Sociais, Gustavo Lins Ribeiro, se manifestou por escrito no Correio Braziliense no mesmo dia, no ponderado e imparcial texto Cavalos de Tróia,[37] em que igualmente reforçava os valores originais do Plano Piloto e da Esplanada, a serem preservados.

Niemeyer na trincheiraEsta edição do Correio, por outro lado, parecia dar a entender que Niemeyer não apenas se sentia pessoalmente agredido, como também protegido pelas muralhas de sua história, de sua competência e sobretudo de seus amigos, mas não necessariamente com as armas da razão: Niemeyer na trincheira: “não abro mão”,[38] estampava a capa do jornal em letras garrafais. O arquiteto afirmava: Eu me sinto muito apoiado pelos meus amigos, de modo que vou continuar. Estou numa trincheira e não abro mão. Sou um arquiteto, com um trabalho feito.[39] Realmente, na mesma reportagem, assinada pelo jornalista Raphael Veleda, Cláudio Queiroz vinha mais uma vez em defesa do projeto, agora articulando um discurso sobre a obra propriamente dita. Para Queiroz, a inclinação do obelisco seria suficiente para torná-lo menor que o Congresso Nacional quando visto a partir da Plataforma Rodoviária. Seria um truque arquitetônico, um toque só alcançado por gênios como o Oscar.

Ironicamente, é nesta matéria que um dos amigos de Niemeyer se manifesta contra o projeto da praça. A crítica vinha do arquiteto Carlos Magalhães,[40] representante oficial de Niemeyer em Brasília e, juntamente com Fernando Andrade, um dos responsáveis pelo seu escritório local. Magalhães, talvez justificadamente desejoso de que a polêmica tivesse fim, disparava: O Oscar é muito grande para se submeter a essa bobagem. Ele tem que compreender que Brasília não é mais dele e está se defendendo sozinha. O desenrolar dos fatos nos dias seguintes demonstraria que a apreensão de Magalhães procedia.

A esta altura do debate, os diversos envolvidos já davam entrevistas a emissoras de rádio e televisão, reforçando seus pontos de vista. Enquanto a professora Sylvia Ficher insistia no telenoticiário local que as obras públicas deveriam ser realizadas por meio de concurso público, Cláudio Queiroz seguia tentando explicar o truque arquitetônico de Oscar. Entretanto, o foco do debate havia sido definitivamente deslocado para a questão do patrimônio histórico e artístico, e a próxima rodada se concentraria no detalhamento deste tema. Os tradicionais defensores e detratores do projeto de Brasília eram unânimes em concordar que a praça não estava de acordo com os princípios fundadores da cidade, conforme tombada pela Unesco em 1987, a divergência passaria a ser agora acerca da propriedade ou não da alteração por um de seus supostos autores.

A campanha do Correio prosseguia, e no dia seguinte o assunto novamente seria manchete: Debate sobre praça chega ao Planalto.[41] Segundo o jornal, o governador levaria o assunto ao presidente Luís Inácio Lula da Silva, em reunião entre os dois agendada para o dia 6 de fevereiro – duas semanas em seguida. A discussão político-ideológica esteve sempre margeando o debate sobre a Praça da Soberania. Não apenas o fato político em si de uma obra de vulto como esta junto ao centro de decisões do país, mas também o engajamento político do comunista Niemeyer e sua relação pessoal com dirigentes de ideologia diversa. De fato, conhecedor do capital simbólico de seu afeto, Niemeyer sempre retribuiu com amizade a generosidade dos gestores em convidá-lo a projetar – pelo menos em entrevistas a jornais. Assim, não apenas Juscelino Kubitschek foi seu amigo, mas também o foram o governador de São Paulo, Orestes Quércia – que lhe encomendou o Memorial da América Latina –, e o governador do Distrito Federal, Joaquim Roriz – responsável pela encomenda do Setor Cultural Sul. Agora o governador José Roberto Arruda e o Secretário de Cultura Silvestre Gorgulho eram tratados por amigos nas entrevistas ao Correio. O amigo Arruda entretanto parecia não retribuir a confiança do arquiteto, deixando-o sozinho no debate sobre a Praça.

Questionado sobre a aprovação instantânea do projeto de Niemeyer no escritório de Copacabana, José Roberto Arruda já declarara em entrevista à Secretaria de Comunicação da UnB, na segunda-feira,[42] que o GDF não dispunha de previsão orçamentária para a execução do projeto da Praça da Soberania. Agora desejava compartilhar o ônus político pela obra grandiosa com o presidente Lula – que, segundo Niemeyer, havia encomendado o Memorial dos Presidentes. No dia seguinte, entretanto, o Palácio do Planalto negaria a presença do assunto na pauta da reunião.

Outro aspecto de fundo político dizia respeito à ideologia do próprio arquiteto, considerado figura histórica do PCB. Niemeyer é de uma geração antiga do Partidão de defesa do comunismo do sentido lato, cujos valores hoje talvez soem ingênuos. Para alguns dessa geração, a construção de monumentos públicos de acesso livre à população é um ato de socialização da construção civil, é a construção de edifícios para o povo.[43]

Talvez esta lente seja a única pela qual seja possível compreender não apenas os argumentos vindouros de Niemeyer para justificar a Praça da Soberania, mas também a posição de outros defensores de mesma estirpe, como Frank Svensson, que assim comentou o texto de Sylvia Ficher na revista mdc: Para mim a preocupação de fundo de Oscar Niemeyer, arquiteto engajado politicamente, é de como afirmar arquitetonicamente a atualíssima questão da soberania nacional! Para quem não desposa desse engajamento é compreensivel que os valores e critérios de julgamento sejam outros.[44] Esta afirmação de Soberania, entretanto, manifestada logo após a já mencionada publicação de um texto indulgente a Joseph Stálin, não foi vista com bons olhos não apenas por arquitetos, mas pela população em geral e por jornalistas como Elio Gaspari.

Para estas pessoas, especialmente sensibilizadas pela força do chavismo na América Latina, a Praça da Soberania era mais uma expressão de totalitarismo – acusação frequentemente feita à Esplanada dos Ministérios e à Praça dos Três Poderes – que um espaço para o povo. Com esse cenário político de fundo compreendem-se os motivos da grande abrangência de uma polêmica, em princípio, arquitetônica: tratava-se tanto de um ato de revolta contra as arbitrariedades do governo populista local, quanto um ato de repúdio político à recente defesa de Stálin feita pelo arquiteto.

Se nesse dia o viés político da reportagem do Correio parecia desviar o debate para este campo, na mesma página constava um artigo de outro ex-colaborador de Oscar Niemeyer que também frequentara as esferas do patrimônio brasiliense. Nada menos que o redator do decreto de tombamento do Plano Piloto: Ítalo Campofiorito.

Num breve texto intitulado Quando o novo não desfigura o moderno,[45] Ítalo fazia uma repreensão às autoridades do patrimônio que haviam se manifestado a respeito do assunto, argumentando que somente a decisão do Conselho Consultivo do IPHAN – órgão máximo do Instituto – poderia constituir parecer definitivo do mesmo sobre o assunto. Ítalo, entretanto, não se furtava a apresentar um argumento de autoridade no texto – sintonizando-se assim com as demais argumentações em favor da Praça. O arquiteto explicava que na legislação de preservação de Brasília se vedam construções no “canteiro central verde”, na intenção óbvia de evitar futuras edificações espúrias que prejudicassem a integridade visual e artística da Sede do Congresso. Posso testemunhar da intenção, já que a redação em pauta copia a do decreto, que é de minha lavra.

Houvesse sido concluída neste ponto, a polêmica em torno à Praça da Soberania talvez não houvesse afetado a visão que os brasilienses e arquitetos guardavam de Oscar Niemeyer e de seus projetos. O arquiteto se notabiliza há tempos tanto pelo hábito de interferir em espaços cívicos com ousadia quanto pelo absoluto descaso pela preservação de sua própria obra. Ele ainda é Oscar Niemeyer: o mais fecundo inventor de formas de nossa arquitetura, o inesgotável improvisador de soluções, o ‘playboy’ endiabrado[46] com uma experiência profissional inigualável no mundo. Levar o tema da Praça para a discussão nas altas esferas de órgãos de preservação possivelmente implicaria em sua aprovação – se nela se empenhasse o arquiteto tão influente no IPHAN. E com o tempo a população certamente se acostumaria à nova leitura que a Praça da Soberania ofereceria da Esplanada.

A campanha do Correio Braziliense, entretanto, demandava novas manchetes e mais combustível para a polêmica. No dia seguinte, a manchete do jornal estampava uma frase de Niemeyer: “A briga está boa”.[47] O texto publicado nesta edição de 30 de janeiro seria o primeiro de uma série de declarações do arquiteto que refletiam ou uma profunda desarticulação de idéias ou uma intenção clara de alteração no modo de se pensar o patrimônio arquitetônico e urbanístico de Brasília.

A briga está boaO título – Uma explicação necessária[48]– dá a entender que se trata do tradicional texto arrazoado homônimo que acompanhava os projetos de arquitetos da geração de Niemeyer. O arquiteto pouco explica de seu projeto, no entanto. Primeiramente, deixa claro que se trata de uma encomenda do Correio, que insiste para que ele escreva alguma coisa sobre essa celeuma que está ocupando este jornal. Logo, Niemeyer evoca as defesas que solicitara a Ítalo Campofiorito, Lelé e Glauco Campello, e estabelece um diálogo socrático – recurso caro ao arquiteto desde a década de 1970 – como se um amigo lhe pedisse para comentar o Plano Piloto, dividido entre pobres e ricos. Os primeiros em seus apartamentos confortáveis ligados às escolas, ao comércio local, como convém; os outros, mais de três milhões de brasileiros, esquecidos pelas cidades-satélites sem escolas, postos de saúdes e as áreas de recreio indispensáveis.

Era o discurso do comunista que voltava à tona. À primeira vista, a colocação parecia fora de lugar – afinal, Oscar não deixara claro em que a Praça da Soberania contribuiria para a redução das desigualdades. A já mencionada visão popular que Niemeyer tem da construção de monumentos, entretanto, torna coerente o discurso. Em seguida, Oscar se lançava ao auto-elogio ao falar da importância e visibilidade que suas obras têm no exterior. Por fim, Niemeyer afirma ter sugerido ao amigo Silvestre Gorgulho a criação de uma comissão de arquitetos da melhor categoria que se incumbisse dos problemas da arquitetura e do urbanismo desta cidade, encaminhando as soluções que lhes pareçam mais justas e necessárias.

Neste momento, o arquiteto parecia não tomar conhecimento da existência do já mencionado Conplan, órgão encarregado de tratar das questões urbanísticas do Distrito Federal. Embora Sylvia Ficher e Jorge Guilherme Fancisconi dele fizessem parte, era público e notório que se tratava de um colegiado formado majoritariamente de membros do governo, e por representantes da sociedade civil indicados pelo próprio governador, que submetiam suas decisões ao Secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio-Ambiente, a quem cabia acatá-las ou não. Niemeyer parecia ignorar também a sugestão de seu amigo Ítalo Campofiorito, de tratar da querela no Conselho Consultivo do IPHAN. A sugestão de Niemeyer desqualificava não apenas a competência de seus críticos, mas também os órgãos que poderiam jogar a seu favor.

A mesma página do jornal trazia uma reportagem introduzindo o tema e mencionando cautelosas declarações do ex-presidente do IAB-DF Otto Ribas, para quem o problema não seria a construção da praça, mas do obelisco. Trazia ainda um curto texto do Instituto Histórico e Geográfico do DF – assinado por ninguém menos que o ex-diretor da Novacap, Ernesto Silva. Juntamente a Affonso Heliodoro Santos, o pioneiro ressaltava a contrariedade da proposta de Niemeyer ao Plano Piloto original tombado, motivo pelo qual o IHG-DF era contrário a sua execução.[49]

No dia seguinte, sábado, o ritmo frenético do Correio parecia haver esgotado a produção recente de novas manifestações qualificadas sobre a questão da Praça da Soberania. Mas isso não significava o abandono do tema. Ao contrário, a jornalista Graça Ramos oportunamente usou-o para trazer à tona uma antiga proposta do paisagista Roberto Burle-Marx para a Esplanada.[50] No projeto, em lugar do gramado constava uma espécie de parque, com lagos, pontes e árvores. Embora se tratasse de proposta evidentemente descabida no contexto atual, Graça Ramos aproveitava o ensejo para relembrar que no ano de 2009 seria celebrado o centenário do paisagista, e que diversos eventos e publicações marcariam a efeméride. A edição do jornal trazia ainda trechos de uma entrevista com Maria Elisa Costa,[51] que reforçava os pontos de vista expressados na carta a Oscar, anteriormente publicada. Para a urbanista, o monumento poderia ser implantado em outro lugar, e não na Esplanada. A partir do diagnóstico social de Niemeyer no artigo anterior, ela sugeria Taguatinga – centro demográfico do Distrito Federal – como local apropriado.

No dia seguinte, Niemeyer publicaria seu terceiro texto sobre a Praça, intitulado pelo jornal de Contraste incômodo.[52] Nele, o arquiteto refutava a possibilidade de realizar o monumento ou a praça em outros lugares e insistia, evocando até mesmo a memória de Juscelino Kubitschek, que a demanda e a decisão de construir eram do governador. Com esta manobra, Niemeyer transferia para Arruda o ônus político e o bônus popular da realização do projeto e da obra. Reforçava ainda o pedido de criação de uma comissão de notáveis para avaliação do desenvolvimento urbano da cidade, com a qual ele daria por bem-sucedida esta luta. Mas Arruda já se havia entrincheirado ele mesmo na evasiva da questão orçamentária, deixando o arquiteto sozinho.[53]

O Correio começaria então a dar mostras de incapacidade de gerar matérias sobre o tema no mesmo ritmo que antes. Numa pequena reportagem,[54] a jornalista Nahima Maciel extraia de Cláudio Queiroz a declaração talvez mais jocosa de todo o debate, ao sugerir que fosse, de fato, criada a comissão sugerida por Niemeyer, e que seus integrantes fossem Glauco Campello, Ítalo Campofiorito e Lelé. Na mesma página, o advogado Reginaldo de Castro apresentava argumentos jurídicos para demonstrar,[55] citando como norma um texto de Glauco Campello, a viabilidade legal da execução da Praça da Soberania, conforme proposta por Niemeyer.

Tombamento de Brasília é uma besteiraO elemento de choque desta segunda-feira, 2 de fevereiro, entretanto, não estaria no Correio, mas novamente na Folha de S.Paulo. O jornal paulista trazia uma entrevista exclusiva com Oscar Niemeyer, realizada no domingo por Denise Menchen.[56] O título atribuía a Niemeyer uma frase não encontrada na entrevista:”Tombamento de Brasília é uma besteira.” O arquiteto colocaria em desfile vários dos temas e máximas recorrentes em seus textos ao longo de mais de setenta anos de carreira, mas sem conseguir concatená-los com a coerência de costume. E iniciaria seu discurso – antes de qualquer pergunta do jornalista – criticando a desigualdade social de Brasília, segundo seu entendimento refletida na exclusão dos pobres do Plano Piloto. Entretanto, quando perguntado sobre a relação da Praça da Soberania com a solução do problema da desigualdade, o arquiteto diria que a ela era indispensável, por faltar a Brasília uma praça importante, como em todas as cidades do mundo existe. Ao ser questionado sobre a alteração no Plano Piloto representada pela obra, o arquiteto afirmava que ali é o lugar certo, não está perturbando nada. Em dois momentos, Niemeyer se justifica pela sua própria importância e pela importância de seus defensores (Italo, Glauco, Lelé, Jayme Zettel). Se a defesa com evasivas e argumentos de autoridade decepcionava, os ataques do arquiteto na entrevista surpreenderiam. Inicialmente, Niemeyer atacava o tombamento da cidade (o mesmo tombamento que lhe garantia a contratação por notória especialização): uma cidade não pode ser tombada porque sempre aparecem modificações. Em seguida, atacaria a Plataforma Rodoviária, projeto de Lucio Costa constante já Plano Piloto original, que articula o cruzamento entre os Eixos Monumental e Rodoviário: a rodoviária não é um prédio importante. O que caracteriza Brasília são os palácios. É desnecessário assinalar que o ataque de Niemeyer à cidade e ao seu tombamento não contariam a seu favor perante a opinião pública. Mais que isso, afirmar que a cidade mais monumental do país carece de uma praça monumental soava no mínimo curioso. Afinal, apenas no Eixo Monumental, há a Praça do Buriti, a praça da Torre de Televisão, as praças elevadas da própria Plataforma Rodoviárias e, evidentemente, a Praça dos Três Poderes. Além disso, Brasília possui praças gigantescas projetadas por Burle-Marx praticamente em desuso, como a Praça de Portugal – junto ao Setor de Embaixadas – e a Praça Duque de Caxias – no Setor Militar Urbano. A entrevista havia, ao fim e ao cabo, encurralado o arquiteto contra seus próprios argumentos.

Enquanto isso, no mesmo dia, o arquiteto e ex-professor da FAU-UnB, Ricardo Farret, publicava na revista mdc o pequeno texto Espaço público e imaginário social,[57] em que comentava o surpreendente desenrolar público do debate, relembrava polêmicas análogas que ele mesmo tivera a oportunidade de travar com Oscar Niemeyer (quando da reforma da Catedral Metropolitana de Brasília), e sobretudo apontava para o fato de que o Governo do Distrito Federal está se especializando em apresentar propostas urbanísticas por meio da imprensa, sem que se saiba as suas razões e grau de prioridades. Estão aí o Plano Lerner, a retomada do Projeto Orla, para citar só dois exemplos. A oportuna lembrança de Farret trazia à tona um dos problemas mais prementes na preservação do Plano Piloto de Brasília: a ausência de um Plano Diretor ou de um Plano de Preservação claro.[58]

As respostas à entrevista de Niemeyer começaram a vir à tona no dia 4 de fevereiro. A revista mdc publicou em sua seção Ensaio e Pesquisa o texto de Andrey Schlee A praça do ‘maquis’.[59] Tratava-se de um trabalho escrito um ano e meio antes para apresentação em um seminário em que o pesquisador apresentava a Praça dos Três Poderes em seu desenho original de Lucio Costa – como platô construído frente à paisagem natural do cerrado –, bem como as origens deste desenho em fortificações e praças coloniais implantadas à beira do mar. Em seguida, demonstrava como as sucessivas adições de edifícios como o Panteão da Pátria, o anexo do STF e a Procuradoria-Geral da República vinham liquidando com o cerrado e descaracterizando a praça. A publicação do texto pela revista era claramente uma resposta à afirmativa de que a cidade necessitava de uma nova praça. Schlee publicou simultaneamente um novo texto de opinião, intitulado Não se preocupe em entender,[60] retornando a uma interpretação da Praça da Soberania e do Complexo Cultural da República como expressões de uma arquitetura concebida com nada de detalhes, nada de filigranas por razões puramente plásticas, artísticas. O pesquisador partia de um paralelo com as imagens dos quadros de De Chirico para evidenciar a aridez das plataformas de concreto carentes de paisagismo em Brasília, onde as coisas estão dispensadas de lógica funcional e situadas no mágico sossego de seu isolamento.

Niemeyer desiste da praça na EsplanadaAs refinadas críticas de Andrey Schlee infelizmente ficariam apenas como registro histórico. O debate propriamente dito havia sido concluído na edição do Correio Braziliense daquele mesmo dia, com a manchete – sobre uma foto do arquiteto – ocupando toda a primeira página do jornal: Niemeyer desiste da praça na esplanada.[61] A capitulação foi publicada dentro de uma reportagem de Nahima Maciel,[62] com o pequeno texto de Niemeyer intitulado Decisão.[63] Nele, o arquiteto reafirmava seus argumentos em favor do projeto e relembrava a solidariedade de seus amigos, como Lelé. Em que pesasse a segurança em suas propostas Niemeyer lera nos jornais que o governador José Roberto Arruda, por falta de verba e de tempo, reconhecia ser agora impossível realizar a construção da praça que tanto desejava. Daí a desistência do debate. Em todo caso, o projeto continuaria a ser desenvolvido normalmente, na esperança, quem sabe, de um dia a sua realização tornar a ser cogitada. Entretanto, as declarações do governador não eram fato novo. Tudo leva a crer que a desistência certamente ocorrera em função da repercussão negativa da entrevista na Folha. Além disso, era um alívio para Niemeyer poder voltar a seus afazeres cotidianos.

Nos dias que se seguiram, muitos dos que vinham debatendo compartilharam do alívio com o fim do debate, elogiando no Correio a decisão do arquiteto. No dia 5 o jornal fez um apanhado de declarações dos envolvidos na querela.[64] No dia seguinte, Maria Elisa Costa ainda reforçaria uma defesa talvez preparada na segunda-feira, afirmando que a Esplanada já tem sua praça: a plataforma Rodoviária.[65] Um toque final de humor ainda foi acrescentado com a divulgação,[66] no sábado 7 de fevereiro, de que o carnavalesco Joãosinho Trinta havia proposto a Niemeyer a realização de um carro alegórico da Praça da Soberania, a ser colocado em evolução da Escola de Samba Beija-Flor em 2010. No carro, todos os ex-presidentes ainda vivos seriam convidados a desfilar como destaques.

No domingo, dia 8 de fevereiro, foram ainda publicados no caderno de cultura do jornal Estado de São Paulo um texto de Hugo Segawa – provavelmente escrito antes do fim da polêmica – intitulado Por um olhar desimpedido,[67] acompanhado por uma entrevista do diplomata André Corrêa do Lago. O historiador Segawa fazia uma retrospectiva histórica da Esplanada e da Plataforma Rodoviária, retomando seus valores fundamentais, expressados na legislação vigente do patrimônio, concluindo que se a Praça da Soberania viesse a soerguer-se no local originalmente planejado, o viajante não mais vislumbraria o eixo monumental. Veria a fachada envidraçada do Memorial dos Presidentes. A entrevista do diplomata Corrêa do Lago,[68] permeada pelo mesmo espírito encomiástico que vinha dominando as matérias realizadas após a decisão de Niemeyer, continha uma sentença premonitória: os gênios jamais jogam a toalha.

Salvo manifestações esporádicas já fora do calor da disputa, pouco se falaria da Praça da Soberania nos meses seguintes. A pedido dos editores da revista mdc, Cláudio Queiroz escreveria um arrazoado sobre a praça, intitulado Praça da Soberania – assertivas,[69] explicando suas declarações feitas em entrevistas durante o debate. Para Queiroz, o projeto era um gesto finalístico destinado a promover a restauração da própria Esplanada e de suas principais visuais, em que a própria verticalidade das torres do Congresso estariam intimidadas, em presença das principais edificações dos setores bancários e hoteleiros. O obelisco cumpriria ainda a função de restaurar, por contraste arquitetônico a volumetria do centro cívico face a linearidade elegante da Rodoviária restabelecendo a totalidade urbana, anteriormente marcante, pela ligação virtual com a Torre de TV, cuja expressão, valor e significado diluíram-se, após a evolução conclusiva dos setores hoteleiros e bancário.

Mas Niemeyer voltara a seus afazeres: realizava novos projetos, acompanhava as obras em andamento – sobretudo as de Niterói – e organizara mais um livro com uma coletânea de seus trabalhos recentes, a ser lançado na galeria de sua filha, Ana Maria, no final de maio. Um pouco antes do lançamento, o arquiteto gentilmente convidou os professores e estudantes da UnB para realizar uma visita às obras de Niterói, onde ele daria uma palestra sobre seu trabalho. O convite, feito por João Filgueiras Lima, foi aceito pelos acadêmicos, que no dia 29 de maio eram recebidos por Niemeyer no Caminho que leva o seu nome na cidade fluminense.

Soberania-Perspectiva-1No final da palestra, Niemeyer apresentou seu projeto para a Praça da Soberania, na verdade nada menos que uma nova proposta, também era publicada na edição do Correio Braziliense daquele dia com a manchete Niemeyer muda Praça da Soberania.[70] No projeto, o obelisco, com a mesma forma mas com cinquenta metros a menos, ficava deslocado do eixo da Esplanada. O Memorial do Cinquentenário e o Memorial dos Presidentes eram deslocados para as laterais do canteiro central dois blocos longitudinais – um curvo, com uma marquise, e outro reto, elevado sobre pilotis. Na mesma semana ainda havia sido lançado o quarto número da revista Nosso Caminho, que Niemeyer e sua esposa vinham editando desde 2008, em que o arquiteto publicava a nova versão do projeto.

Soberania-Perspectiva-2

No dia seguinte, o Correio Braziliense publicava uma matéria de uma página sobre a visita do grupo da UnB ao Rio no dia da apresentação do projeto.[71] Uma foto, de autoria do Secretário de Cultura, Silvestre Gorgulho, mostrava os estudantes e professores em volta do arquiteto, e o texto jornalístico de Diego Amorim e Gizella Rodrigues – com títulos como A praça não interfere no Plano Piloto e Espaço a ser completado – dava a entender que havia consenso sobre o a nova proposta. Aos olhos da opinião pública, o projeto teria obtido a aprovação de alguns de seus maiores críticos: os professores da UnB. Era uma verdadeira ação coordenada de Niemeyer para apresentar e aprovar publicamente seu projeto quatro meses após o fim da polêmica inicial.

A praça não interfere no Plano PilotoO texto explicativo que acompanhava o projeto não foi publicado no jornal, embora estivesse exposto na galeria de Ana Maria Niemeyer no Rio de Janeiro. Seu título, não menos afirmativo, era: Uma modificação irrecusável. Nele, o arquiteto explicava como havia alterado o projeto em função das críticas recebidas, conforme ele mesmo dava a entender em sua entrevista no Correio: Encontrei uma forma de conduzir melhor o trabalho. Coincidentemente, alguns pontos correspondem à questão de visibilidade que eles (arquitetos que criticaram o projeto) tanto defenderam.Tudo indicava que o debate seria reacendido, caso o próprio governador José Roberto Arruda não houvesse colocado uma pá de cal no assunto. No dia 31 de maio, domingo, na capa do Correio constava a nota: governador diz que, por falta de recursos, obra não será construída na sua gestão.[72]

Não obstante, dez dias depois o presidente do IAB-BA, Paulo Ormindo Azevedo – referência nacional na área de patrimônio histórico – publicaria na revista mdc o texto intitulado Niemeyer não dorme nos louros…[73] Para Azevedo, a reação crítica à proposta de Niemeyer fora movida em grande parte por uma dissimulada “oscar-jeriza”. O arquiteto fazia coro com Cláudio Queiroz, classificando a obra de um complemento e uma correção, e traçando um paralelo entre o obelisco do cinqüentenário e o monumento a George Washington, no mall da capital norte-americana. Azevedo desloca ainda o problema da área do patrimônio histórico, afirmando que, se nas décadas de 1940 a 1960 tivéssemos a burocracia preservacionista que temos hoje no plano federal e estadual, não seria construída a Pampulha.

Na semana seguinte, também na revista mdc, o arquiteto e pesquisador da FAU-UnB, Eduardo Rossetti, publicaria na revista mdc o último texto especializado de que temos notícia sobre o assunto, intitulado Oscar Niemeyer além da crônica de uma praça anunciada.[74] Rossetti parte de um breve histórico sobre a polêmica da praça, para concluir que, ao fazer uma nova proposta, o arquiteto simplesmente fizera questão de dar a última palavra sobre o assunto. A partir da praça, era feita então uma avaliação panorâmica da produção recente de Niemeyer, com programas cada vez maiores e mais complexos e soluções mais simples, em que Niemeyer assinala a permanência de suas estratégias projetuais, especulando, depurando, reforçando e ampliando o seu reconhecido repertório formal. Para Rossetti, entretanto, a ênfase na questão formal era um reducionismo em si mesma, concluindo que em meio às decisões excludentes e às subordinações que regem o ato de projetar — ou seja, elaborar a invenção arquitetônica — a forma continua a ser a questão fundamental que Oscar Niemeyer propõe e deixa a todo o campo, para além da crônica de uma praça anunciada, efetivamente.

Os demais polemistas entretanto pareciam ter acompanhado a declaração de Sylvia Ficher sobre o assunto: Não faz mais sentido eu ficar dando opinião, dizendo se o projeto é bom ou ruim, se melhorou ou piorou. Quem tem que decidir se vai ou não fazer é o Iphan e o GDF.[75] De fato, o debate aparentemente retornou para as esferas da arquitetura e da Administração Pública. Até o presente momento, em todo caso, não se tem notícia de qualquer encaminhamento do projeto para avaliação pelos órgãos de patrimônio.

A rigor, o debate sobre a Praça da Soberania evidenciou o longo caminho a ser percorrido pelo campo arquitetônico brasileiro até que se possa realizar um debate público efetivo sobre seus valores. O primeiro problema foi a dificuldade em definir o que deveria ser discutido. A questão das contratações de projetos de obras públicas sem licitação ou concurso – o cerne da crítica inicial de Sylvia Ficher – parece continuar sendo um tabu no campo da arquitetura.

Um segundo problema aparente é a incompreensão generalizada em nosso meio sobre os processos de contratação da Administração Pública, e frequentemente em debates sobre o tema os argumentos passam pelo viés do juízo de valor pessoal sobre a qualidade da obra do arquiteto ou dos arquitetos em questão. O personalismo, os privilégios e idolatrias herdados dos oligopólios coloniais parecem persistir entre nós mesmo no trato da coisa pública. E mesmo ao discutir valores que, até por uma questão de autonomia de campo, deveriam ser tratados de maneira sistemática, arrazoada e demorada, os arquitetos e gestores públicos preferem arriscar-se a declarar publicamente suas opiniões particulares imediatas sobre temas em que deveriam se manifestar como técnicos e como administradores do espaço público – mais que como políticos.

Em todo caso, é através da prática saudável do debate público, como o que teve início na Praça da Soberania – e não das negociatas a portas fechadas – que se pavimenta o caminho necessário para a construção de um campo arquitetônico mais republicano e de arquitetos mais envolvidos com sua própria cidadania que com questões endógenas. Esperamos todos que este tenha sido apenas o início de uma série de discussões que podem passar a ter lugar a cada grande obra pública. Os meios de comunicação estão abertos para isso e a população está desejosa de discutir a construção de suas cidades. Resta saber da disposição dos arquitetos para o debate.


notas

[1] Texto apresentado em setembro de 2009 no 8º Seminário Docomomo Brasil, na mesa Brasília: cidade real, cidade tombada, objetivando realizar uma síntese da polêmica, dando a conhecer ao público nacional o seu desenrolar local.

[2] Miranda, “Novo marco na esplanada.” e Macedo, “Brasília: Oscar Niemeyer projeta nova praça na Esplanada dos Ministérios.”

[3] Mader, “Novo bairro aproveita lições do laboratório – Entrevista: Paulo Zimbres.”

[4] Mader, “Presente verde.”

[5] Toscano, “Começa em 15 dias obra da nova rodoviária.” e Reis, “Terminal Rodoviário de Brasília.”

[6] Campos, “Complexo substituirá o Buritinga em 2009.”

[7] Naves, “Sinal Verde.”

[8] Correio Braziliense, “A capital do futebol.”

[9] Niemeyer, As curvas do tempo, 111.

[10] IPHAN, Portaria n.314, de 08 de outubro de 1992 (Art.8º, §3º)

[11] Ficher, “Oscar Niemeyer e Brasília : criador versus criatura.”

[12] Ficher, “Oscar Niemeyer e Brasília : criador versus criatura.”

[13] Gaspari, “A praça da soberania de Niemeyer.”

[14] Niemeyer, “Quando a verdade se impõe.”

[15] Holanda, “A praça do espanto.”

[16] Magalhães acabara de concluir um mestrado sobre a obra de um dos colaboradores de Niemeyer: o arquiteto Milton Ramos.

[17] Magalhães, “Pela soberania do vazio.”

[18] Freitas, “Niemeyer versus Niemeyer.”

[19] Cf. https://mdc.arq.br/2009/01/12/oscar-niemeyer-e-brasilia-criador-versus-criatura/#comment-56

[20] Ouroussoff, “Even if his own work isn’t broken, a brazilian architect fixes it.”

[21] Francisconi e Ficher, “Verso e reverso em Niemeyer.”

[22] Niemeyer, “A nova praça para Brasília.”

[23] Campos, “Mensagem ao arquiteto Oscar Niemeyer.”

[24] Campello, “Praça da Soberania.” e Campello, “A Praça de Niemeyer em Brasília.”

[25] Correio Braziliense, “Praça na Esplanada inflama Brasília.”

[26] Freitas, “Soberana Brasília.”

[27] Freitas, “Niemeyer, 101 anos, 66 obras.”

[28] Freitas, “Concepções divergentes.”

[29] Costa, “Carta de Maria Elisa Costa a Oscar Niemeyer.”

[30] Para desenvolvimento deste tema, Cf. Pessoa, “Brasília e o tombamento de uma idéia.”

[31] Macedo, “Projeto da Praça da Soberania será investigado pelo Ministério Público.”

[32] Carvalho, “Projeto de praça de Niemeyer para Brasília é ilegal, diz Iphan.”

[33] IPHAN, Portaria n.314, de 08 de outubro de 1992 (art.3º, V)

[34] Lima, “Mais uma obra-prima.”

[35] Cf. Niemeyer, “Criticada a arquitetura brasileira : fala Oscar.”

[36] Schlee, “De obeliscos e espetos ou ‘Para se espantar e curtir’.”

[37] Ribeiro, “Cavalos de Tróia.”

[38] Correio Braziliense, “Niemeyer na trincheira.”

[39] Veleda, “Niemeyer assume a defesa do seu projeto.”

[40] Não se confunda Carlos Magalhães, colaborador de Niemeyer desde a década de 1950 com Carlos Henrique Magalhães, o jovem pesquisador a escrever Pela soberania do vazio.

[41] Correio Braziliense, “Debate sobre praça chega ao Planalto.” e Veleda, “Arruda quer opinião de Lula sobre a praça.”

[42] Notícia apagada dos arquivos do website.

[43] Para um desenvolvimento desse tema, veja-se a seção Teoria em: Pereira, Arquitetura, texto e contexto, 148-153

[44] Cf. https://mdc.arq.br/2009/01/12/oscar-niemeyer-e-brasilia-criador-versus-criatura/#comment-158

[45] Campofiorito, “Quando o novo não desfigura o moderno.”

[46] Expressão do crítico de arte Mario Pedrosa em: Pedrosa, “O depoimento de Oscar Niemeyer – II,” 294

[47] Correio Braziliense, “A briga está boa.”

[48] Niemeyer, “Uma explicação necessária.”

[49] Tecles, “Niemeyer contra-ataca.”

[50] Ramos, “Um parque na Esplanada.”

[51] Tecles, “Obelisco em Taguatinga.”

[52] Niemeyer, “Contraste incômodo.”

[53] Arruda, “A boa polêmica.”

[54] Maciel, “Proposta de comissão divide os arquitetos.”

[55] Castro, “Breves notas sobre a Praça da Soberania.”

[56] Menchen e Niemeyer, “Oscar Niemeyer: tombamento de Brasília é uma besteira.”

[57] Farret, “Espaço público e imaginário social « mdc . revista de arquitetura e urbanismo.”

[58] Produto atualmente em elaboração por um escritório gaúcho de planejamento contratado por licitação de técnica e preço pelo GDF.

[59] Schlee, “A praça do maquis.”

[60] Schlee, “Não se preocupe em entender.”

[61] Correio Braziliense, “Niemeyer desiste da praça na Esplanada.”

[62] Maciel, “Niemeyer abre mão da polêmica praça.”

[63] Niemeyer, “Decisão.”

[64] Sallum, “Elogios à decisão de Niemeyer.”

[65] Freitas e Rebello, “A Esplanada já tem sua praça.”

[66] Correio Braziliense, “E a praça de Niemeyer pode parar na Sapucaí….” e Macedo, “Esplanada em transe : Praça da Soberania será carro alegórico no carnaval de 2010.”

[67] Segawa, “Por um olhar desimpedido.”

[68] Greenhalg, Gama, e Lago, “Os gênios jamais jogam a toalha – Estadao.com.br.”

[69] Queiroz, “A Praça da Soberania : assertivas.”

[70] Correio Braziliense, “Niemeyer muda Praça da Soberania.” e Dubeux e Niemeyer, “Uma nova praça – entrevista.” e Macedo, “Oscar Niemeyer propõe segundo projeto para a Praça da Soberania.”

[71] Rodrigues, “Praça muda, polêmica não.” e Amorim e Rodrigues, “A praça não interfere no Plano Piloto.”

[72] Mader e Borges, “Praça de Niemeyer sai dos planos.”

[73] Azevedo, “Niemeyer não dorme nos louros… « mdc . revista de arquitetura e urbanismo.”

[74] Rossetti, “Oscar Niemeyer além da crônica de uma praça anunciada.”

[75] Rodrigues, “Praça muda, polêmica não.”


referências bibliográficas

Amorim, Diego, e Gizella Rodrigues. “A praça não interfere no Plano Piloto.” Correio Braziliense, Maio 30, 2009, seç. Cidades.

Arruda, José Roberto. “A boa polêmica.” Correio Braziliense, Fevereiro 1, 2009, seç. Opinião.

Azevedo, Paulo Ormindo de. “Niemeyer não dorme nos louros… « mdc . revista de arquitetura e urbanismo.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Junho 10, 2009. https://mdc.arq.br/2009/06/10/niemeyer-nao-dorme-nos-louros/.

Brant, Vera. “O humanista Oscar Niemeyer.” Correio Braziliense, Fevereiro 13, 2009, seç. Opinião.

Buarque, Cristovam. “Nossa praça maior.” Correio Braziliense, Janeiro 31, 2009, seç. Opinião.

Campello, Glauco de Oliveira. “A Praça de Niemeyer em Brasília.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Janeiro 25, 2009. https://mdc.arq.br/2009/01/25/praca-da-soberania/.

———. “Praça da Soberania.” Correio Braziliense, Janeiro 24, 2009, seç. Opinião.

Campofiorito, Italo. “Quando o novo não desfigura o moderno.” Correio Braziliense, Janeiro 29, 2009, seç. Cidades.

———. “Quando o novo não desfigura o moderno.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Fevereiro 1, 2009. https://mdc.arq.br/2009/02/01/quando-o-novo-nao-desfigura-o-moderno/.

Campos, Ana Maria. “Antes do obelisco, o Pássaro da Paz.” Correio Braziliense, Março 2, 2009, seç. Cidades.

———. “Complexo substituirá o Buritinga em 2009.” Correio Braziliense, Novembro 15, 2007, seç. Política.

Campos, Igor. “Mensagem ao arquiteto Oscar Niemeyer.” Correio Braziliense, Janeiro 24, 2009, seç. Opinião.

———. “Mensagem ao arquiteto Oscar Niemeyer « mdc . revista de arquitetura e urbanismo.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Janeiro 25, 2009. https://mdc.arq.br/2009/01/25/mensagem-ao-arquiteto-oscar-niemeyer/.

Carvalho, Mario Cesar. “Projeto de praça de Niemeyer para Brasília é ilegal, diz Iphan.” Folha de São Paulo, Janeiro 27, 2009, seç. Cotidiano. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2701200901.htm.

Castro, Reginaldo de. “Breves notas sobre a Praça da Soberania.” Correio Braziliense, Fevereiro 2, 2009, seç. Cidades.

Cavalcante, Neusa. “Um amor tardio?.” Correio Braziliense, Janeiro 31, 2009, seç. Cidades.

Correio Braziliense. “A briga está boa.” Correio Braziliense, Janeiro 30, 2009, seç. Capa.

———. “A capital do futebol.” Correio Braziliense, Junho 1, 2009, seç. Esportes.

———. “Debate sobre praça chega ao Planalto.” Correio Braziliense, Janeiro 29, 2009, seç. Capa.

———. “E a praça de Niemeyer pode parar na Sapucaí….” Correio Braziliense, Fevereiro 7, 2009, seç. Cidades.

———. “Niemeyer desiste da praça na Esplanada.” Correio Braziliense, Fevereiro 4, 2009, seç. Capa.

———. “Niemeyer muda Praça da Soberania.” Correio Braziliense, Maio 29, 2009, seç. Capa.

———. “Niemeyer na trincheira : “não abro mão”.” Correio Braziliense, Janeiro 28, 2009, seç. Capa.

———. “Praça na Esplanada inflama Brasília.” Correio Braziliense, Janeiro 25, 2009, seç. Capa.

———. “Uma praça, muitas ideias.” Correio Braziliense, Janeiro 31, 2009, seç. Capa.

Costa, Maria Elisa. “Carta de Maria Elisa Costa a Oscar Niemeyer.” Correio Braziliense, Janeiro 25, 2009, seç. Cidades.

Dubeux, Ana. “O velho, os jovens e a praça.” Correio Braziliense, Maio 31, 2009, seç. Opinião.

———. “Uma briga das boas.” Correio Braziliense, Fevereiro 1, 2009, seç. Opinião.

Dubeux, Ana, e Oscar Niemeyer. “Uma nova praça – entrevista.” Correio Braziliense, Maio 29, 2009, seç. Cidades.

Farret, Ricardo. “Espaço público e imaginário social « mdc . revista de arquitetura e urbanismo.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Fevereiro 2, 2009. https://mdc.arq.br/2009/02/02/espaco-publico-e-imaginario-social/.

Ficher, Sylvia. “Oscar Niemeyer e Brasília : criador versus criatura.” Portal Vitruvius – Minha cidade, 1, 2009.

———. “Oscar Niemeyer e Brasília : criador versus criatura.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Janeiro 12, 2009. https://mdc.arq.br/2009/01/12/oscar-niemeyer-e-brasilia-criador-versus-criatura/.

Francisconi, Jorge Guilherme, e Sylvia Ficher. “Verso e reverso em Niemeyer.” Correio Braziliense, Janeiro 21, 2009, seç. Opinião.

Freitas, Conceição. “Caro Oscar.” Correio Braziliense, Maio 30, 2009, seç. Crônica da Cidade.

———. “Carta ao doutor Oscar.” Correio Braziliense, Fevereiro 6, 2009, seç. Crônica da Cidade.

———. “Concepções divergentes.” Correio Braziliense, Janeiro 25, 2009, seç. Cidades.

———. “Niemeyer versus Niemeyer.” Correio Braziliense, Janeiro 20, 2009, seç. Crônica da Cidade.

———. “Niemeyer, 101 anos, 66 obras : Arquiteto tem ainda 39 projetos para a capital federal, cinco dos quais com previsão de construção.” Correio Braziliense, Janeiro 25, 2009, seç. Cidades.

———. “Soberana Brasília.” Correio Braziliense, Janeiro 25, 2009, seç. Cidades.

Freitas, Conceição, e Pablo Rebello. “A Esplanada já tem sua praça.” Correio Braziliense, Fevereiro 6, 2009, seç. Cidades.

Gaspari, Elio. “A praça da soberania de Niemeyer.” Folha de São Paulo, Janeiro 18, 2009, seç. Brasil. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc1801200908.htm.

Greenhalg, Laura, Rinaldo Gama, e André Corrêa do Lato Lago. “Os gênios jamais jogam a toalha – Estadao.com.br.” O Estado de São paulo, Fevereiro 7, 2009, seç. Aliás. http://www.estadao.com.br/suplementos/not_sup320118,0.htm.

Holanda, Frederico de. “A praça do espanto.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Janeiro 20, 2009. https://mdc.arq.br/2009/01/20/a-praca-do-espanto/.

IPHAN. Portaria n.314, de 08 de outubro de 1992, 1992. http://www.iphan.gov.br.

Lima, João Filgueiras da Gama. “Mais uma obra-prima.” Correio Braziliense, Janeiro 27, 2009, seç. Cidades.

———. “Mais uma obra-prima.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Janeiro 29, 2009. https://mdc.arq.br/2009/01/29/mais-uma-obra-prima/.

Lima, Rubem Azevedo. “Oscar Niemeyer.” Correio Braziliense, Fevereiro 9, 2009, seç. Opinião.

Macedo, Danilo Matoso. “Brasília: Oscar Niemeyer projeta nova praça na Esplanada dos Ministérios.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Janeiro 10, 2009. https://mdc.arq.br/2009/01/10/brasilia-oscar-niemeyer-projeta-nova-praca-na-esplanada-dos-ministerios/.

———. “Esplanada em transe : Praça da Soberania será carro alegórico no carnaval de 2010.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Fevereiro 7, 2009. https://mdc.arq.br/2009/02/07/esplanada-em-transe/.

———. “Oscar Niemeyer propõe segundo projeto para a Praça da Soberania : quatro meses após desistir do debate sobre a Praça da Soberania, o arquiteto realiza nova proposta para o mesmo local..” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Maio 29, 2009. https://mdc.arq.br/2009/05/29/oscar-niemeyer-propoe-segundo-projeto-para-a-praca-da-soberania/.

———. “Projeto da Praça da Soberania será investigado pelo Ministério Público.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Janeiro 27, 2009. https://mdc.arq.br/2009/01/27/praca-da-soberania-sera-apurada-pelo-ministerio-publico/.

Maciel, Nahima. “Niemeyer abre mão da polêmica praça.” Correio Braziliense, Fevereiro 4, 2009, seç. Cidades.

———. “Proposta de comissão divide os arquitetos.” Correio Braziliense, Fevereiro 2, 2009, seç. Cidades.

———. “Um olhar além do Plano-Piloto.” Correio Braziliense, Fevereiro 1, 2009, seç. Cidades.

Mader, Helena. “Novo bairro aproveita lições do laboratório – Entrevista: Paulo Zimbres.” Correio Braziliense, Janeiro 15, 2009, seç. Cidades.

———. “Presente verde.” Correio Braziliense, Agosto 4, 2008, seç. Cidades.

Mader, Helena, e Rodolfo Borges. “Praça de Niemeyer sai dos planos.” Correio Braziliense, Maio 31, 2009, seç. Cidades.

Magalhães, Carlos Henrique. “Pela soberania do vazio.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Janeiro 20, 2009. https://mdc.arq.br/2009/01/20/pela-soberania-do-vazio/.

Marcelo, Carlos. “O direito de opinar.” Correio Braziliense, Janeiro 31, 2009, seç. Opinião.

Menchen, Denise, e Oscar Niemeyer. “Oscar Niemeyer: tombamento de Brasília é uma besteira.” Folha de São Paulo, Fevereiro 2, 2009, seç. Brasil. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc0202200913.htm.

Miranda, Ricardo. “Novo marco na esplanada.” Correio Braziliense, Janeiro 10, 2009, seç. Cidades.

Naves, Roberto. “Sinal Verde.” Correio Braziliense, Abril 21, 2007, seç. Esportes.

Niemeyer, Oscar. “A nova praça para Brasília.” Correio Braziliense, Janeiro 22, 2009, seç. Opinião.

———. “A nova praça para Brasília.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Janeiro 22, 2009. https://mdc.arq.br/2009/01/22/a-nova-praca-para-brasilia/.

———. As curvas do tempo: memórias. Rio de Janeiro: Revan, 1998.

———. “Contraste incômodo.” Correio Braziliense, Fevereiro 1, 2009, seç. Cidades.

———. “Contraste incômodo.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Fevereiro 4, 2009. https://mdc.arq.br/2009/02/04/contraste-incomodo/.

———. “Criticada a arquitetura brasileira : fala Oscar.” Módulo, Março 1955.

———. “Decisão.” Correio Braziliense, Fevereiro 4, 2009, seç. Cidades.

———. “Decisão.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Fevereiro 4, 2009. https://mdc.arq.br/2009/02/04/decisao/.

———. “Quando a verdade se impõe.” Folha de São Paulo, Janeiro 9, 2009, seç. Opinião. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz0901200908.htm.

———. “Uma explicação necessária.” Correio Braziliense, Janeiro 30, 2009, seç. Cidades.

———. “Uma explicação necessária.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Fevereiro 4, 2009. https://mdc.arq.br/2009/02/04/uma-explicacao-necessaria/.

Oliveira, José Fernando Aparecido de. “A Praça da Soberania e o futuro de Brasília.” Correio Braziliense, Fevereiro 18, 2009, seç. Opinião.

Ouroussoff, Nicolai. “Even if his own work isn’t broken, a brazilian architect fixes it.” New York Times, Dezembro 26, 2007, seç. Architecture. http://www.nytimes.com/2007/12/26/arts/design/26niem.html?_r=1.

Pedrosa, Mario. “O depoimento de Oscar Niemeyer – II.” In Dos murais de Portinari aos espaços de Brasília, organizado por Aracy Amaral, 293-295. Debates 170. São Paulo: Perspectiva, 1981.

Pereira, Miguel Alves. Arquitetura, texto e contexto : o discurso de Oscar Niemeyer. Coleção Arquitetura e urbanismo. Brasília: Unb, 1997.

Pessoa, José Simões Belmont. “Brasília e o tombamento de uma idéia.” São Carlos: Docomomo Brasil, 2003. http://www.docomomo.org.br.

Queiroz, Cláudio. “A Praça da Soberania : assertivas.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Fevereiro 17, 2009. https://mdc.arq.br/2009/02/17/a-praca-da-soberania-assertivas/.

Ramos, Graça. “Um parque na Esplanada.” Correio Braziliense, Janeiro 31, 2009, seç. Caderno C.

Reis, Luís Antônio. “Terminal Rodoviário de Brasília.” Comercial. Reis Arquitetura. http://www.reis.arq.br/.

Ribeiro, Gustavo Lins. “Cavalos de Tróia.” Correio Braziliense, Janeiro 28, 2009, seç. Cidades.

———. “Cavalos de Tróia.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Janeiro 30, 2009. https://mdc.arq.br/2009/01/30/cavalos-de-troia/.

Rodrigues, Gizella. “Praça muda, polêmica não.” Correio Braziliense, Maio 30, 2009, seç. Cidades.

Rossetti, Eduardo Pierrotti. “Oscar Niemeyer além da crônica de uma praça anunciada.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Junho 17, 2009. https://mdc.arq.br/2009/06/17/oscar-niemeyer-alem-da-cronica-de-uma-praca-anunciada/.

Sallum, Samanta. “Elogios à decisão de Niemeyer.” Correio Braziliense, Fevereiro 5, 2009, seç. Cidades.

———. “Em defesa de “áreas limpas” na capital.” Correio Braziliense, Fevereiro 3, 2009, seç. Cidades.

Schlee, Andrey Rosenthal. “A praça do maquis.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Fevereiro 4, 2009. https://mdc.arq.br/2009/02/04/a-praca-do-maquis/.

———. “De obeliscos e espetos ou ‘Para se espantar e curtir’.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Janeiro 28, 2009. https://mdc.arq.br/2009/01/28/de-obeliscos-e-espetos/.

———. “Não se preocupe em entender.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Fevereiro 4, 2009. https://mdc.arq.br/2009/02/04/nao-se-preocupe-em-entender/.

Segawa, Hugo M. “Por um olhar desimpedido.” O Estado de São paulo, Fevereiro 7, 2009, seç. Aliás. http://www.estadao.com.br/suplementos/not_sup320119,0.htm.

———. “Por um olhar desimpedido.” MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Fevereiro 9, 2009. https://mdc.arq.br/2009/02/09/por-um-olhar-desimpedido/.

Tecles, Elisa. “Niemeyer contra-ataca.” Correio Braziliense, Janeiro 30, 2009, seç. Cidades.

———. “Obelisco em Taguatinga.” Correio Braziliense, Janeiro 31, 2009, seç. Cidades.

———. “Tombamento não é engessamento.” Correio Braziliense, Fevereiro 8, 2009, seç. Cidades.

Toscano, Izabel. “Começa em 15 dias obra da nova rodoviária.” Correio Braziliense, Agosto 14, 2008, seç. Cidades.

Veleda, Raphael. “Arruda quer opinião de Lula sobre a praça.” Correio Braziliense, Janeiro 29, 2009, seç. Cidades.

———. “Niemeyer assume a defesa do seu projeto.” Correio Braziliense, Janeiro 28, 2009, seç. Cidades.

Agradeço a Sylvia Ficher por haver gentilmente cedido seu levantamento bibliográfico sobre o debate sobre a Praça da Soberania: mais amplo que o aqui apresentado e para o qual serviu de base.


danilo matoso macedo
Arquiteto e Urbanista (UFMG, 1997), Mestre em Arquitetura e Urbanismo (UFMG, 2002), Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental (ENAP, 2004), editor da revista mdc.

contato: correio@danilo.arq.br | www.danilo.arq.br

Anúncios
Esse post foi publicado em Danilo Matoso, Ensaio e pesquisa e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para Praça da Soberania: crônica de uma polêmica

  1. Pingback: Praça da Soberania: crônica de uma polêmica «

  2. Adriano C. Mendonça disse:

    Obrigado pelo artigo, um bom resumo desta fantástica epopéia. Um resumo lúcido e objetivamente comentado que testemunha o nascimento de uma urbanidade democrática. No Rio de Janeiro assistimos a um processo semelhante, diante dos planos desatinados para a revitalização da zona portuária e para as olimpíadas de 2016. Os arquitetos começam a se mexer para rechaçar políticas que á tempos vem agindo para o aniquilamento da profissão. Amadurecendo seu diálogo com a opinião pública, o arquiteto poderá restabelecer seu papel insubstituível no destino das cidades.

  3. Raquel Beatriz disse:

    lamento que aqui em Minas não tenha ocorrido semelhante processo em relação a Cidade Administrativa proposta para Belo Horizonte. Lamentável mutismo.

    Agora é esperar o Aécio sair e outro assumir a bomba estatal. Mas em parte é isto que rende votos!

  4. mfm999 disse:

    Obrigado! Eu gostei deste debate, e sua cobertura do mesmo, tanto que eu escrevi sobre isso como parte da minha Brasília 50 Anos da categoria no meu blog, designKULTUR . Bem feito! Melhor de Vancouver, Michael

    Thanks! I liked this debate, and your coverage of it, so much that I wrote about it as part of my Brasília 50 Anos category on my blog, designKULTUR. Well done! Best from Vancouver, Michael

  5. Yara Mcnamara disse:

    Interessante o povo se revoltou contra o criado de Brasília. E depois de morto ficam puxando saco dele, espero que surja um presidente da república para revogar esse tombamento besta, que somente interessa a elite brasileira, detalhe, a mesma elite que apoiou o golpe de 64 e a ditadura militar, detalhe, o tombamento da cidade, fora feito por um governador biônico, indicado por um presidente militar. Por isso que a Unesco cassou o direito dos brasilienses de verdade. Não os brasilienses que vivem confortavelmente nos Lagos Norte/Sul e Park Way. Que sequer representam 1% dos moradores. O tombamento é uma afronta a constituição federal. Eu duvido, se fosse tombado hoje, o mesmo seria aprovado. Um verdadeiro Aparthaid social, racial e também ambiental. Uma cidade que não funciona, com excesso de empregos na área tombada em detrimento do excesso de moradores fora. Pior, somente 1% de direito a ditar os rumos da capital. Então eu e os outros 99% repudiamos o IAB, CAU, IPHAN, MP e pseudos ONGs que julgam defender o tombamento. E claro, no dia que o tombamento for cancelado, a capital federal continuará de pé. Agora não vejo esse meio de imprensa divulgar as atrocidades que cometeram com o Palácio Monroe, esse mesmo, que uma cerca rede global de tv, orquestrou junto com arquitetos modernistas que não irei citar, solicitaram ao presidente militar da época, a demolição do mesmo. Detalhe, a histórica não tem como esconder, o Palácio Monroe fora tombamento pelo IPHAN. E numa simples canetada fora demolido. Aonde estavam o povo na hora?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s